Os personagens que encantam a Pipa

As figuras esguias que marcam o trabalho de Santos Silva são bem conhecidas na região e estão espalhadas ao redor do mundo

O carioca Jorge Santos Silva tinha 27 anos quando decidiu viver exclusivamente da sua arte. Ele sempre sonhara em viver dedicado apenas ao desenho e à pintura, suas paixões, mas essa não era uma decisão fácil para aquele jovem nascido e criado no subúrbio da capital fluminense, longe dos berços de ouro da Zona Sul.

Alguns anos antes, após concluir o ensino médio, o jovem Santos Silva havia começado a estudar eletrônica no Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. “Eu trabalhava como motorista de um escritório de arquitetura, mas queria mais do que aquilo para mim. Naquela época falavam que o futuro estava na eletrônica. Comecei a fazer o técnico querendo depois entrar na faculdade e ser engenheiro eletrônico. Mas eu não estava feliz. Todo dia no intervalo das aulas eu passava pelo andar onde o pessoal das artes tinha aula só para admirar os alunos pintando e fazendo esculturas. "Era aquilo que eu queria de verdade”, conta, com um brilho no olhar.

E o dom falou mais alto: no segundo ano ele acabou transferindo seu curso para artes plásticas, quando começou sua aventura no estudo da história da arte e das técnicas artísticas. E seu caminho ficou ainda mais claro e aberto quando conheceu o pintor, desenhista, arquiteto e professor Decio Brascher, um premiado artista mineiro radicado no Rio de Janeiro. Decio, que trabalhava como arquiteto no escritório onde Jorge era motorista, ficou admirado com a qualidade do trabalho do jovem artista quando viu alguns dos seus desenhos.

Dicas de mestre“Eu disse pro Decio que eu estava querendo fazer faculdade de artes, mas ele me disse que eu já tinha a arte em mim, que ele ia me dar algumas dicas que iam me colocar bem na frente de todos que estavam na faculdade. E foi assim mesmo. Durante muitos meses, eu ia toda sexta-feira no final do dia para a casa dele e a gente virava a noite trabalhando. Além das técnicas, o Decio me ensinou uma coisa muito importante: como sobreviver da arte. Ele dizia que o artista que não sabe trabalhar rápido não consegue viver de sua arte. Se você demora meses para fazer um quadro, você precisa cobrar muito por ele, e isso faz tudo ficar mais difícil”, explica. Decio Brascer faleceu em 2014, com 81 anos.

Jorge começou a expor na feira hippie de Ipanema e logo era o artista que mais vendia por lá. Com suas obras se espalhando pela cidade e com seu nome se tornando cada vez mais conhecido no Rio de Janeiro, começou a receber convites para decorar casas e salas comerciais de alto luxo na cidade. As coisas iam bem, e seu primeiro grande trabalho foi a decoração de uma filial da rede portuguesa hoteleira Pestana, em Copacabana. O sucesso desse trabalhoabriu na vida do artista um período de muitas viagens pelo Brasil e depois pela Europa, decorando hotéis de luxo. Foi um período de muita prosperidade crescimento profissional.

Mudança para o RN – Tudo ia muito bem no Rio de Janeiro para o pintor. Muitos convites  trabalhos bem remunerados e suas obras cada vez mais valorizadas. Em 2005, porém, o destino o trouxe para o Rio Grande do Norte para uma viagem de poucas semanas. “Logo que eu cheguei aqui me encantei com a região e quando voltei pro Rio arrumei minhas coisas e vim de mudança. As pessoas me chamaram de louco de largar tudo que eu tinha construído no Rio, mas eu sempre fui assim, livre, e sabia que ia conseguir reconstruir minha vida aqui”.

Ele começou vendendo suas obras na feira de artesanato na Praça do Pescador. Mas logo montou seu primeiro espaço e hoje mantém a Galeria Manchas em Movimento na avenida principal: um lugar amplo e arejado, construído sobre as falésias entre a Praia do Centro e a Baía dos Golfinhos, com vista para o mar, onde vende suas obras e também produz. Um lugar mágico, uma mistura de ateliê de pintura e galeria de arte com uma das vistas mais bonitas do mundo, onde Santos Silva recebe os amigos que sempre aparecem para um bom papo e para dar algumas risadas com esse artista bem-humorado e cheio de histórias para contar.

Características e influências – Entre as principais características do seu trabalho, Santos Silva destaca o traço simples e a pincelada espontânea. Além das suas marcantes e inconfundíveis figuras esguias, com pernas mais compridas que os troncos e marcadamente simpáticas, apesar da ausência de expressão definida no rosto, ele trabalha numa linha mais abstrata, menos popular mas de grande beleza e que conta com seu público cativo. Jorge destaca entre suas principais influências Picasso, Portinari, Caribé e Antoni Tàpies (artista espanhol falecido em 2012).

Galeria Manchas em Movimento
Av. Baia dos Golfinhos, 485,  loja 05 – Praia da Pipa
Rio Grande do Norte - Brasil


Notícias